Advento - Movidos pela estrela que brilha no amor

«Crescerá assim, no Porto, “uma Igreja bela, verdadeira casa de família, sensível, fraterna, acolhedora e sempre a caminho, mãe comovida com as dores e alegrias dos seus filhos e filhas, cada vez menos em casa, cada vez mais fora de casa, a quem deve fazer chegar e saber envolver na mais simples e comovente notícia do amor de Deus”. Como disse, de modo extraordinariamente belo e sucinto o Papa Francisco, em Fátima: “o rosto jovem e belo da Igreja, que brilha quando é missionária, acolhedora, livre, fiel, pobre de meios e rica no amor”».

Dom António Francisco, Homilia na Missa da Peregrinação Diocesana a Fátima, 9.9.2017

Inspirados neste seu testamento pastoral, desenhado nas belas imagens da casa de família e do rosto da Igreja que brilha, pensamos toda esta caminhada diocesana. É nossa ideia e propósito fundamental fazer brilhar a Estrela do Amor na Igreja (a grande família), na família (Igreja doméstica), e nas comunidades cristãs, chamadas a crescer como família de famílias.

2.ª Pegada - 2.º Domingo do Advento

Esta semana deixamos uma proposta para viveres a Palavra de Deus: Acolher em nossa casa e na nossa comunidade, mas sobretudo no nosso coração, a fragilidade de pessoas e famílias: reserva algum do teu tempo e visita um doente – pode até ser da tua família. Leva-lhe companhia e alegria.

Pé de meia

Sugere-se que neste advento seja criado um “pé-de-meia” (em casa e na Igreja) onde, semana a semana, em família e em comunidade, se partilhem os bens necessários, a repartir por cada família com outra família / ou pela Paróquia em relação às famílias mais pobres da comunidade. Essa distribuição seria feita na semana mais próxima do Natal.

Mealheiro Missionário

Toda a catequese é chamada a fazer partilha de uma forma ainda mais missionária: vamos procurar encher o mealheiro missionário para depois entregarmos as nossas poupanças para a construção de escolas na Mongólia e na Síria.

​"João é o símbolo da essencialidade​ e simplificação; os textos falam da sua sobriedade de alimentação e da sua pobreza no vestir. A essencialidade da sua mensagem espiritual está ligada à essencialidade do seu viver, do seu ser corpo, voz, espera. Ele pode exigir que se convertam e preparem o caminho do Senhor, porque ele vive na primeira pessoa essa mesma realidade. João não se limita a preparar uma estrada para o Senhor, mas, no seu corpo, transforma-se nela, toda a sua pessoa. A trajetória da sua vida torna-se uma parábola, que o próprio Jesus seguirá. João é o «precursor» não só no sentiido que vem antes de Jesus, mas também no sentido de que o caminho existencial que ele faz será também, não obstante todas as grandes diferenças ligadas às duas pessoas, aquele que Jesus viverá."

Luciano Manicardi

Semana de 3 a 9 de Dezembro de 2017

Informação Paroquial

este domingo, pelas 15.30h horas, reúne a Fraternidade Franciscana e a Cerci.

quarta, dia 13, reúne a Fábrica da Igreja

domingo, dia 17, festa de catequese para o 6.º ano, no salão maior do patronato, às 14.30h;

domingo, dia 17, às 16h, na Igreja Matriz, o 4.º ano celebra a festa da entrega da Palavra

Confissões para o advento na Matriz

De segunda a sexta, das 18h-19h (antes da missa)

Na primeira sexta do mês – das 8h às 12h

Dia 19, terça, das 15h às 18h

Dia 22, sexta, às 21h

CAMINHADA DE ADVENTO | NATAL – 2017/2018

Movidos pela estrela que brilha no amor!

Em sintonia com o lema do Plano Diocesano de Pastoral 2017/2018, “Movidos pelo amor de Deus”, a diocese propõe-nos uma caminhada, rumo ao Presépio de Belém, onde, na simplicidade de uma casa da periferia, entre uma mãe e um pai, cheios de fé e de amor, brilha a Estrela Maior, Jesus Cristo, o verdadeiro Sol Nascente, “cujos raios dão a vida” (Papa Francisco, Lumen Fidei, n.º 1). E essa Estrela que brilha no amor move-nos na edificação de uma família e de uma comunidade, que também brilha, quando é missionária, acolhedora, livre, fiel, pobre de meios e rica no amor”. Deixemos de lado o conforto e inércia de quem se sente instalado e calcemos as sapatilhas para caminharmos com passos firmes e diligentes de encontro “ao outro”, mobilizando todos a tornarmo-nos rostos do Amor de Deus; servindo os mais pobres e simples, levando alegria aos tristes e sós para que a nossa comunidade se torne acolhedora, livre, fiel, mesmo que pobre em meios, rica no amor. Seria bom que ao longo do advento, cada família se empenhasse em juntar um pequeno “pé-de-meia” com alimentos, roupas, brinquedos ou ajuda monetária e juntando tudo, em comunidade, pudéssemos partilhar os bens necessários para com as famílias mais pobres da cidade.

Mais informações no site da Diocese do Porto